entrevista n.2

Futureless

[Português abaixo]

aug 10, 2020.

Futureless, curated by the Australian artist and curator Oliver Dougherty, at Berlin’s SomoS Art House: from the political roots, queer-feminist identities, ideas and actions offer various perspectives on how society should be constantly modeled and remodeled. As the capitalist dream of endless progress vanishes, the Futureless exhibition recognizes the important history of queer-feminist futurism, creating possibilities to shape another world, that is real, through imagination. Webs of meanings for the future were established: imagination, fantasy, fiction, speculation, alternative futures, technological and scientific development, terrestrial-ecological-environmental precariousness, ecosystems, mythologies of a precarious planet, utopia/dystopia, future of genders, queer-feminist ecosystems, ecological struggle, universal emancipation, rituals for a lost future, minorities, resistance, Afrofuturism, indigenous futurism, decolonization, trans futurism, and others…

In a conversation per e-mail, Dougherty comments on the relationship between art, politics, COVID-19 and obviously about the future – or the lack of it.

 

Marden2Ursula’s Tentacles vol. 2, Unbothered + Moisturised, curated by Zoë Marden & SAGG Napoli, Eaton Workshop, Hong Kong, 2019.

 

How do you think it is possible to critique a system if we are part of that system?

This is a really big question which I am continually asking myself. For me, it is not only possible but necessary to critique the system we are part of, the question is really how we achieve that. The state-capital complex has the tendency to feel all-encompassing, especially in our current historical moment with the very salient presence of broader ecological and health crises. Because of that, imagining outside of our system becomes quite a demanding task (I’m thinking of the quote credited to both Fredric Jameson and Slavoj Žižek: “it is easier to imagine the end of the world than the end of capitalism”). In any case, if a system can be built up, it can also be brought down.

No matter how intrusive or suffocating a system may feel, there is always the possibility to develop alternatives. What Futureless aims to achieve is to open up this imaginative space, critiquing a system (namely, the art market and capitalism) which it knows it is part of. The voices contributing to Futureless look at the broken promises that the system has prescribed for our future from queer-feminist standpoints and sees them as opportunities to open even further this imaginative space, rather than as dark or immobilizing precursors of our time. Through such a shift in perspective, suddenly the feeling of suffocation becomes somewhat relieved. The participating artists’ work span a number of different yet interconnected issues, from the seeds that grow communities of queer-feminist Afrofuturist voices in Fallon Mayanja’s video installation Or the Inescapable III, to the simultaneous fear and euphoria experienced through New York’s queer beaches and their loss to climate change in Heather Renee Russ’ installation Tidewrack, to the ongoing role of borders and the nation-state in women’s migration as in The Constitution of the Autonomous Republic of Xena-Maria, a series of watercolor paintings by Maria Kulikovska with Uleg Vinnichenko. At the same time, they also collectively emphasise the very apparent possibilities of a radical system change through imagining otherwise.

I should also mention that queer-feminist voices are at a really insightful position for achieving such a system-critique. Futureless has been developed in line with a history of queer-feminist writers, artists and performers alike; Octavia Butler, Shu Lea Chang and Rebecca Belmore to name just a few examples. These are voices that are not part of the dominant mainstream, and therefore have the ability to dismantle and critique it in a powerful manner.

 

Kulikovska_Vinnichenko
The Constitution of the Autonomous Republic of Xena-Maria, by Maria Kulikovska with Uleg Vinnichenko.

 

Do you imagine that Futureless “call for participation” could be the start of a larger project not only the exhibition?

The questions that are central to Futureless are some that we will be asking for years to come, so it is somewhat difficult to think that the project will become finished or closed once the exhibition has taken place. Quite the opposite, in fact; I think Futureless only has the possibility of evolving from its upcoming iteration.

One beautiful element of having put Futureless together via an open call is that I received submissions which pushed the ideas behind the project in directions that I would not have otherwise expected. This for me was really a sign of how rich the topic is, and how vast and insightful the development of the project could be.

I can’t say right now what the next stage of the project will look like, but I can say that the ideas behind it are continually rolling around in my head and evolving, as is the same case will all the participating artists I’m sure. Actually, one unexpected positive outcome of having to postpone the exhibition due to COVID-19 in March was that it gave time for some of the participating artists’ work to grow and develop even further in line with the implications of experiencing a pandemic, or multiple pandemics. For example, it has been great to see the development of the work of multidisciplinary artist Zoë Marden, whose ongoing research into multispecies ways of being and particularly tentacular thinking has been given new meaning in the recent intense political climate. Like the tentacles of an octopus, her work now titled Mermania: Tales of Tentacularity (Tentacles of COVID Capitalism) reaches out towards the social and systemic symptoms of the COVID pandemic and seeks out ways to think collaboratively and collectively, to make kin.

 

RussHeather Renèe Russ’ Tidewrack.

 

What I can say is that the past months have led the project already to grow and take shape in formats which were not originally thought of. For example, we are currently developing a virtual performance and artist talk event. Even though such formats do call into question artistic liveness and presence, it felt necessary to engage with them since they will inevitably be part of our future. Like this, the exhibition is a living, breathing and evolving organism.

 

How do you expect the mainstream – art market mainly – to relate with concepts like this without “assimilating to neutralize” – particularly such strong proposals such as Futureless?

I’ve been lucky enough to curate Futureless at SomoS, which is an independent, non-commercial artist/curator run space. I think art houses like SomoS are really important in providing a space that is mostly removed from the capital-driven art world for radical or political artwork, such as the queer-feminist futurist proposals presented during Futureless. It gives such works the space to grow and be witnessed without the potential infiltration of market norms or some sort of capitalist appropriation. So, in the process of launching an open call for and curating Futureless, I haven’t had to think too much about the potential of works being “assimilated to neutralize”.

 

FallonFallon Mayanja’s Or the Inescapable III.

 

In many ways, it is a dangerous world out there for radical queer-feminist art. Even the term “queer-feminist” has been used as a buzzword and has thereby been made marketable, which for me is a little terrifying and even contradictory. Perhaps the process of placing huge capitalist value on queer-feminist art alienates it from the position from which it was created in the first place.

There are two methods which I think would be helpful in reshaping the relationship between radical queer-feminist art and the market/system; reform or creating something new, working from the inside and the outside. I think both are important and complimentary to some extent. For the former, we need to have people working within and against the system, working to change the very structures of the institutions/market. This is important because attempts to build something outside of the system can never be truly outside; they will always have some sort of relationship to institutions/the art market/the system, for example in the language that they use. Therefore, building something else from the outside needs to be coupled with radical folks on the inside who can chip away at the system however they can.

Work from the outside could include focusing on forming more networks of solidarity amongst artists, curators, art workers, art spaces and the public. The public and the people should define which art is valuable and what value is in the first place. Art should speak to our time and all those involved from its production to presentation should be supported in delivering projects that don’t have to adhere to some affluent standard. A great example of this is the project Garage 33 Gallery Shelter by participating artist Maria Kulikovska.

 

I am using the word “radical” for art that addresses root questions of the real world, facing art in two indivisible aspects – aesthetics and ethics. Do you think Futureless can be seen in this light?

Absolutely. I think Futureless was borne out of a need to not just to talk or write about the possibilities of deconstructing and reshaping a radical future, but also to see, listen and feel it. Art has the power to evoke visceral experiences that I think can really act as transformative turning points for people, and Futureless in many ways aims to draw upon such an opportunity.

I think that it also makes sense to artistically materialise the questions raised by Futureless – namely, of what our world could look like if it were to not be held back by capitalist rhetorics of progress and unlimited growth, and their connections to broader issues such as climate catastrophe. Questions like this demand a great deal of invention, or reinvention, so keeping that purely in non-aesthetic forms to me feels more like a limitation than anything else. The works presented during Futureless are queer-feminist proposals for a world that looks radically different, interweaving fiction and reality in a way that casts a critical eye on the now as seen from a futuristic standpoint. With such an imaginative task at hand, I believe the most powerful responses are those that embrace the moving potential of the aesthetic.

 

Zoe_MardenUrsula’s Tentacles vol. 1, Multimedia installation and performance, Equinox Light Cure, curated by Sasha Burkhanova-Khabadze, Exposed Arts, London, 2019.

 

Português

 

Futureless, projeto de curadoria do artista e curador australiano Oliver Dougherty, na SomoS Art House, de Berlim: “da raiz política, identidades, ideias e ações queer-feministas oferecem perspectivas várias de como a sociedade deve ser constantemente modelada e remodelada. Com o sonho capitalista de progresso desaparecendo, a exposição Futureless reconhece a importante história do futurismo queer-feminista criando possibilidades [de um outro mundo real] através do potencial imaginativo”. Foram criadas redes de significações para o futuro: imaginação, fantasia, ficção, especulação, futuros alternativos, desenvolvimento tecnológico e científico, precariedade terrestre-ecológica-ambiental, ecossexualidade, mitologias de um planeta precário, utopia/distopia, futuro dos gêneros, ecossistema queer-feminista, luta ecológica, emancipação universal, rituais pela perda do futuro, posições minoritárias, resistências, Afrofuturismo, futurismo indígena, descolonização, futurismo trans, e outros…

Em conversa por e-mail, Dougherty comenta sobre as relações entre arte, política, COVID-19 e obviamente sobre o futuro, ou a falta dele.

 

Futureless são propostas queer-feministas para um mundo que parece radicalmente diferente, entrelaçando ficção e realidade de uma maneira que lança um olhar crítico sobre o agora, visto a partir do futuro.”

 

Como é possível criar um tipo relevante de crítica a um sistema fazendo parte dele?

É realmente uma grande questão que constantemente me pergunto. Na minha opinião, antes de se perguntar se é possível, devemos antes nos perguntar o quanto é imprescindível, criticar o sistema do qual fazemos parte, a questão é realmente o modo de elaborar essa crítica. O complexo capital-estado tende a se mostrar como uma entidade omnipresente, especialmente em nosso momento histórico atual, com a presença muito saliente de crises ecológicas e de saúde mais amplas. Por isso, imaginar-se fora do sistema torna-se uma tarefa bastante exigente (penso na citação creditada a Fredric Jameson e Slavoj Zizek: “é mais fácil imaginar o fim do mundo do que o fim do capitalismo”). De qualquer forma, se um sistema é construído, ele também pode ser desativado.

Por mais intrusiva ou sufocante que uma norma possa parecer, sempre existe a possibilidade de conceber alternativas. O que Futureless pretende alcançar é abrir esse espaço imaginativo, criticando um sistema (mais precisamente, o mercado de arte e o capitalismo) do qual sabemos fazer parte. As vozes que contribuem para Futureless focam nas promessas furadas que o sistema prescreveu para o nosso futuro, por um ponto de vista queer-feminista, e as vêem como oportunidades para avançar ainda mais nesse espaço imaginativo, no lugar dos precursores sombrios ou imobilizadores de nosso tempo. Com essa mudança de perspectiva, de repente o sentimento de asfixia aos poucos alivia-se. O trabalho dos artistas participantes abrange uma série de questões diferentes, ainda que interconectadas, desde sementes que geram comunidades de vozes afrofuturistas, queer e feministas na videoinstalação de Fallon Mayanja Or Inescapable III (traduzível como “ou inescapável III”), até o medo e euforia vivenciados simultaneamente nas praias queer de Nova York e as batalhas perdidas para a crise climática vistas na instalação de Heather Renee Russ Tidewrack (traduzível como “naufrágio da maré”), até o desempenho contínuo das fronteiras e dos estados-nações na migração de mulheres, visto em Autonomous Republic of Xena-Maria (traduzível como “a constituição da república autônoma de Xena-Maria”), série de aquarela de Maria Kulikovska com Uleg Vinnichenko. Ao mesmo tempo, também enfatizam coletivamente as possibilidades, já aparentes, de uma mudança radical do sistema, imaginando-o às avessas.

Devo mencionar também que as vozes queer-feministas estão em uma posição realmente propícia para liderar essa crítica ao sistema. Futureless foi desenvolvido de acordo com uma história de escritores, artistas e intérpretes feministas; Octavia Butler, Shu Lea Chang e Rebecca Belmore, citando apenas alguns exemplos. São vozes que não fazem parte do estabelecimento dominante e, portanto, têm a capacidade de desmontá-lo e criticá-lo mais intensamente.

 

Futureless Thumbnail purple 3d

 

Você imagina que o “convite a envio de propostas” para Futureless pode ser o começo de um projeto maior, não apenas da exposição?

As questões centrais do Futureless são as que continuaremos perguntando nos próximos anos, por isso é um pouco difícil pensar que o projeto será concluído ou encerrado após essa exibição de obras. Muito pelo contrário, de fato, Futureless só tem a possibilidade de evoluir e partir para próximas iterações.

Uma bela surpresa desse convite à participação foi ter recebido propostas de obras que alargaram os limites do projeto inicial, em direções que não tinha esperado de forma alguma. Isso para mim foi realmente um sinal de quão rico é o tema e de quão vasto e sagaz o projeto poderia se tornar.

Não posso dizer agora como será a próxima fase, mas posso dizer que as ideias por trás dele estão continuamente girando na minha cabeça e evoluindo, como é o caso de todos os artistas participantes, como eu. Na verdade, um resultado positivo inesperado de adiar a exposição devido ao COVID-19 em março foi de ter mais tempo para que o trabalho de alguns dos participantes se desenvolva ainda mais, de acordo com as implicações da experiência de uma pandemia, ou pandemias múltiplas. Por exemplo, foi ótimo ver o desenvolvimento do trabalho da artista multidisciplinar Zoë Marden, cuja pesquisa em andamento sobre modos de vida multiespécies e pensamento particularmente tentacular ganhou significado novo recentemente no intenso clima político. Como os tentáculos de um polvo, seu trabalho agora intitulado Mermania: Tales of Tentacularity  (Tentacles of Covid Capitalism) –  traduzível como “Mermania: contos sobre a tentacularidade do capitalismo de COVID”) – estende-se aos sintomas sociais e sistêmicos da pandemia e procura maneiras colaborativa e coletiva de pensar, para criar relações.

O que posso dizer é que os últimos meses levaram o projeto a crescer e tomar formatos que não além de os pensados originalmente. Por exemplo, atualmente estamos desenvolvendo um evento virtual de performance e conversa com artistas. Embora esses formatos ponham em questão a vivacidade e a presença artísticas, parece-nos necessário se ocupar com eles, pois farão inevitavelmente parte do nosso futuro. Assim, a proposta de Futureless torna-se um organismo vivo, respirador e em evolução.

 

Como você espera que o estabelecimento – principalmente o mercado da arte – se relacione com conceitos como esse, sem “assimilar para neutralizar” – particularmente com essas propostas tão fortes?

Tive a sorte de fazer a curadoria de Futureless na SomoS, que é um espaço independente e não comercial para artistas e curadores. Acho que casas de arte como SomoS (em grande parte removidas do mundo da arte que é impulsionado pelo capital) são realmente importantes como provedores de espaço para obras e processos de arte radicais ou políticos, como as propostas futuristas queer-feministas apresentadas para Futureless. Dá a tais obras um lugar para crescer e ser testemunhado sem a potencial infiltração da normatividade do mercado ou algum tipo de apropriação capitalista. Portanto, no processo de lançar uma chamada aberta e criar Futureless, não tive que pensar muito no potencial das obras serem “assimiladas para serem neutralizadas”.

De muitas maneiras, é um mundo perigoso, lá fora, para a arte queer-feminista radical. Até o termo “queer-feminista” tem sido usado como um chavão e, assim, tornou-se comercializável, o que para mim é um pouco assustador e até contraditório. Talvez o processo de colocar um enorme valor capitalista na arte queer-feminista a afaste da posição original na qual foi criada.

Existem dois métodos que eu acho que seriam úteis para reformular a relação entre a arte queer-feminista radical e o mercado-sistema; reformar ou criar algo novo, trabalhando de dentro e de fora. Eu acho que ambos são importantes e complementares até certo ponto. Para o primeiro, precisamos ter pessoas trabalhando de dentro e contra o sistema, trabalhando para mudar as próprias estruturas das instituições do mercado. Isso é importante porque as tentativas de criar algo totalmente fora do sistema nunca serão verdadeiramente externas; elas sempre terão algum tipo de relacionamento com instituições-mercado-sistema, por exemplo, até o vocabulário que usam. Portanto, a construção de algo mais a partir do exterior precisa ser acoplada a pessoas radicais de dentro, que podem desativar o sistema da forma que puderem.

Já trabalho do lado de fora poderia incluir o foco na formação de mais redes de solidariedade entre artistas, curadores, trabalhadores da arte, espaços de arte e o público. O público e o povo devem definir qual arte é valiosa e quais são os critérios de valor em primeiro lugar. A arte deve falar com o nosso tempo e com todos os envolvidos, desde a produção até a apresentação, deve ser apoiada na criação de projetos que não precisem aderir a padrão algum de afluência. Um ótimo exemplo disso é o projeto Garage 33 Gallery Shelter da artista Maria Kulikovska.

 

Futureless nasceu da necessidade de não apenas falar ou escrever sobre as possibilidades de desconstruir e remodelar um futuro radical, mas também de vê-lo, ouvi-lo e senti-lo.”

 

Estamos usando a palavra “radical” para a arte que aborda questões fundamentais do mundo real, encarando a arte em seus dois aspectos indivisíveis: estética e ética. Você acha que o Futureless pode ser visto por essa ótica?

Absolutamente. Futureless nasceu da necessidade de não apenas falar ou escrever sobre as possibilidades de desconstruir e remodelar um futuro radical, mas também de vê-lo, ouvi-lo e senti-lo. A arte tem o poder de evocar experiências viscerais que, na minha opinião, podem realmente atuar como pontos de virada transformadoras para as pessoas, e Futureless, de várias maneiras, visa aproveitar essa oportunidade.

Faz sentido então também materializar através da arte as questões levantadas por Futureless– especificamente, como seria o mundo se não fosse retido pela retórica capitalista do progresso e do crescimento ilimitado, e suas conexões com questões mais amplas, como catástrofe climática. Perguntas como essa exigem muita invenção ou reinvenção, de modo que manter isso apenas nas arenas alheias a da estética parece-me uma limitação, e não outra coisa. Os trabalhos apresentados em Futureless são propostas queer-feministas para um mundo que parece radicalmente diferente, entrelaçando ficção e realidade de uma maneira que lança um olhar crítico sobre o agora, visto a partir do futuro. Com uma tarefa tão imaginativa, acredito que as respostas mais poderosas são as que circundam o potencial mutante da estética.